Declaração Pessoal de Richard Stallman e Euclides Mance

Versão italiana

Versão em inglês

Versão em espanhol

Depois de um proveitoso diálogo de dois dias sobre Economia Solidária e Software Livre, chegamos a esta declaração conjunta que expressa nossos pontos de vista pessoais.

Cremos que os movimentos de software livre e de economia solidária devem colaborar entre si para gerar soluções de software que sejam totalmente livres, com o objetivo de satisfazer as necessidades da economia solidária

Isto inclui a organização de redes de economia solidária. Estas redes possibilitam a gestão democrática de recursos e de fundos locais e globais.

Os movimentos de software livre e de economia solidária também devem colaborar para fomentar o crescimento e o surgimento de empreendimentos auto-gestionados que produzam software livre segundo as ideias da economia solidaria. Isto fortalecerá a democracia nos âmbitos econômico e técnico, e contribuirá para o desenvolvimento de comunidades locais integradas em redes colaborativas.

Também imaginamos alguns projetos como a produção de computadores por redes colaborativas de empreendimentos de economia solidária, para ser usados exclusivamente com software livre, inclusive tablets y micro-servidores como Freedom Box.

A cooperação entre os movimentos de software livre e de economia solidária oferece a oportunidade de tratar mais profundamente da defesa das liberdades públicas e privadas; em particular da ética e da libertação com respeito ao uso da Tecnologia da Informação. A autogestão de atividades informáticas requer que o software usado seja livre. A filosofia ética do software livre - a liberdade para compreender, usar, modificar, reproduzir e distribuir o software - faz do software livre um instrumento de libertação econômica na economia solidária. Esta ideia contrasta com a filosofia puramente prática do código aberto, que renuncia à liberdade como um valor, em favor da funcionalidade ou do êxito.

A tecnologia da informação pode contribuir para estender as liberdades publicas e privadas ou converter-se em um instrumento de dominação. Frente à expansão desta tecnologia e da crescente digitalização dos processos econômicos, políticos e culturais, o poder de algumas poucas corporações está crescendo - corporações que, com seus softwares privativos e serviços abusivos, controlam a informática das pessoas e coletam um volume de dados cada vez maior em todas as esferas de sua vida (frequentemente sem o seu prévio conhecimento) e os entregam a estados, às vezes democráticos, às vezes não, os comercializam ou compartilham com outras empresas, com vistas a obter vantagens e lucros. Isto é um risco para a democracia e para as liberdades públicas e privadas de toda a humanidade.

Para protegê-las, os recursos e os processos informáticos devem respeitar a liberdade e não submeter seus usuários ao poder das corporações ou de outras entidades. As redes colaborativas de economia solidária podem facilitar isto, usando softwares livres, projetados para minimizar a vigilância sobre os usuários.

Como apoiadores dos movimentos de software livre e de economia solidária, denunciamos e rejeitamos todo uso da tecnologia da informação para ações de opressão e dominação, sejam com software livre ou não.

Defendemos que toda atividade educativa que utilize software nos espaços públicos deve rejeitar o software privativo, para não gerar dependências nos estudantes.

Curitiba, 15 de Dezembro de 2012

Richard Stallman
Movimento do Softwre Livre
GNU
Euclides Mance
Diretor Executivo de Solidarius
Solidarius

Copyright (c) 2013 Euclides Mance e Richard Stallman. A cópia literal e a redistribuição desta declaração em sua totalidade são permitidas desde que esta nota seja preservada.